Make your own free website on Tripod.com
Louise Brooks

AG00553_.GIF (4430 bytes)

LBr6.gif (38724 bytes)

Não existe Garbo.
Não existe Dietrich.
Existe apenas Louise Brooks.

Henri Langlois

O que explica que uma quase desconhecida personalidade do cinema mudo, ignorada durante tanto tempo, torne-se, a cada dia mais, uma febre mundial? O que existe naquelas antigas fotografias cor sépia, ou nas precárias imagens dos remanescentes filmes mudos, que justifique este interesse, curiosidade ou admiração, em pessoas de lugares tão diferentes? On nomes Greta Garbo, ou Marlene Dietrich, são famosos, mas quem foi Louise Brooks? Se ela foi considerada melhor que estas outras atrizes, porque caiu no esquecimento, e porque agora ressurgiu?

Louise Brooks foi, sem dúvida, uma atriz à frente de seu tempo. Dona de uma beleza incomum, também era dotada de uma personalidade fortíssima, e uma vontade determinada. Numa época em que a maioria dos atores e atrizes, para ter trabalho, tornavam-se submissos e eram explorados ao máximo, mal pagos, e freqüentemente nem tinham seus nomes exibidos nos créditos dos filmes, o seu temperamento era por demais explosivo, e Louise, ao não aceitar as normas vigentes na ainda jovem  Hollywood incomodou muito aos donos de estúdios, o que de certa forma explica o porquê dela ter sido colocada de lado por tantos anos.

LBr2.jpg (11844 bytes)
LBr1.gif (11516 bytes)

Mary Louise Brooks teve uma carreira breve em Hollywood, tendo participado de 24 filmes entre os anos 1925 e 1938. Sua imagem e atitudes permanecem, no entanto, como símbolos de uma época, e uma de suas características mais lembradas será sempre o corte de cabelo liso e curto, que lançou moda e tornou-se um ícone dos anos 20

Num mundo onde a mídia fornece acesso imediato a qualquer novidade, e onde as mesmas são consumidas e substituídas rapidamente, é surpreendente observar como uma personagem do início do século, atriz do cinema mudo, pode ser redescoberta e tornar-se a cada dia mais popular, a ponto mesmo de competir com personagens atuais. Se isto significa algo, nenhuma outra atriz do cinema mudo tem maior número de sites na Internet dedicados à ela do que Louise Brooks

LBr3.gif (23718 bytes)
LBr3.jpg (9077 bytes)

Surpreendente também é a capacidade que suas imagens tem de prender a atenção das pessoas, sem que elas nem sequer saibam de quem se trata. Os relatos são muito semelhantes. Um fã diz ter encontrado uma foto daquela desconhecida em uma loja de antiguidades, entre tantas outras, e diz que sentiu uma compulsão em comprar aquela fotografia e tentar descobrir quem era a garota. Outro diz que cresceu enfeitiçado por uma fotografia que seu pai tinha colada na parede da sala, e que, após adulto, não descansou até descobrir quem era.

Se apenas um filme pudesse ser selecionado para lembrar seu trabalho, este não seria nenhum dos produzidos em Hollywood, mas sim  A Caixa de Pandora, rodado na Alemanha e considerado um clássico. Nesta produção de 110 minutos de duração, disponível em vídeo, Louise  interpreta Lulu, uma mulher sedutora, que hipnotiza e destrói todos os homens que se aproximam dela. Há quem diga que sua tumultuada vida amorosa, teria lhe servido de inspiração para a personagem, pois de fato Louise teve muitos romances, sendo o mais famoso com Charles Chaplin.

Pandora´s box video.GIF (23680 bytes)
LB10.jpg (10020 bytes)

Em 1955, na exposição 60 Anos de Cinema realizada no Museu de Arte Moderna, em Paris, foi colocado na entrada do prédio, em grande destaque, um imenso pôster de Louise. Perguntado porque havia escolhido Louise para aquela posição de honra, no lugar de Greta Garbo ou Marlene Dietrich, atrizes bem mais populares, o diretor da Cinemateque Française, Henri Langlois,  fez a declaração que se tornaria eterna: "Não existe Garbo. Não existe Dietrich. Existe apenas Louise Brooks".

Louise nasceu em Kansas, Estados Unidos, em 14 de novembro de 1906. Aos 4 anos de idade já estava no palco de sua cidade. Aos 15 decide ir sozinha para New York, e une-se à  Denishaw Dance Company, principal companhia de dança moderna americana. Em 1923 faz diversas apresentações nos Estados Unidos e Canadá, sempre com muito sucesso. Em 1925 une-se ao legendário grupo Ziegfeld Follies, onde conquista posição de destaque, e faz seu primeiro filme The Street of Forgotten Men. Assina a seguir um contrato de 5 anos com a Paramount Pictures e em 1927 muda-se para Hollywood, onde participa de diversas produções. Em 1928, após o produtor B.P.Schulberg lhe negar um aumento, Louise deixa a Paramount e embarca rumo à Alemanha a convite do diretor G.W.Pabst para filmar A Caixa de Pandora

LBr5.jpg (9994 bytes)
LBr7.jpg (13336 bytes)

No final do ano retorna à Hollywood e, já no início da era do cinema sonoro, mas ainda aborrecida com a Paramount, recusa uma oferta de US$10.000 para dublar seu personagem no filme Canary Murder Case, produzido sem som e por isso ainda não lançado. Graças à este episódio, ela seria praticamente encostada em definitivo pelos produtores de Hollywood. Entre 1929 e 1938 participa de poucas produções na Europa e Estados Unidos. Em 1943 volta à New York, conseguindo trabalho na radio CBS. Nos anos seguintes, esquecida pelo cinema e pelo público, ganha seu sustento de várias formas, inclusive como vendedora da loja Sak's Fifth Avenue


Em 1948 começa a escrever sua biografia, que ela mesma destrói ao terminar, seis anos após. Frustrada, ela justificaria dizendo que " Ao Escrever a história de uma vida acho que o  leitor não pode entender a personalidade e os feitos de uma pessoa, a menos que sejam explicados os amores, ódios, e conflitos sexuais dessa pessoa. Não estou disposta a escrever a verdade sexual que tornaria minha vida digna de ser lida." Apesar disso, daí para a frente dedica-se quase que exclusivamente à literatura, sendo que seu livro Lulu in Hollywood torna-se um best seller. Com poucos amigos, Louise tem uma vida reclusa,  sofrendo por muitos anos de artrite deformante, e falecendo no dia 8 de agosto de 1985, aos 87 anos de idade

LB09.jpg (9480 bytes)
LBr12.jpg (9582 bytes)

Ultimamente, com seus filmes sendo restaurados e lançados em vídeo, com os especiais na TV  sobre sua vida e seu trabalho, e mais recentemente, com todos os sites da Internet dedicados à ela, existe uma clara tentativa de reencontrar a magia e o fascínio que ela exerceu como nenhuma outra diva do cinema, na tela e na vida real.  Talvez ela esteja finalmente começando a receber o merecido crédito por sua carreira, e por sua coragem em ter sido a primeira mulher a desafiar os tubarões de Hollywood. Ou talvez aquele seu antigo poder enfeitiçante esteja agora espalhando-se pela Internet...

O mais recente documentário produzido sobre LB, exibido há pouco no canal GNT  chama-se "Louise Brooks - Procurando por Lulu". Não perca sua reapresentação, e conheça mais sobre a fascinante Louise Brooks, num dos seguintes endereços:

Louise Brooks Society
Louise Brooks Stuff
Das Madchen Lulu 
Silent Ladies
Classic Images
Louise Brooks
Louise Brooks   (Veja aqui trechos em vídeo de A Caixa de Pandora)          

Assista os filmes de Louise Brooks em vídeo. Visite um dos seguintes sites:

Video On-Line Express
Reel - The Best Place to buy Movies

 

LB07.gif (10769 bytes)  LB07.gif (10769 bytes)  LB07.gif (10769 bytes)  LB07.gif (10769 bytes)  LB07.gif (10769 bytes)

Desde setembro 2000, esta página passou a fazer parte da relação de sites citados em destaque pela Louise Brooks Society

Welcome to all the visitors from other countries! This page, written in Portuguese, is my personal tribute to the ever fascinating LB.

Please sign our Guest Book 

Fale com a gente:  dougcg@homemail.com

 
FastCounter by bCentral

Esta página também pode ser vista no site Viagens & Imagens